Obras
Por Ano
Por Tema
No Ambiente
   
Sobre o Artista
Página Inicial
Biografia
Álbum de Fotos
Atelier
Crítica
Mídia
Contato
Com o Artista
Com as Galerias
Outros
Livro de Visitas
Artigos e Notícias
Links Sugeridos
 
 
   
Artigos e Notícias
 
Livro de Visitas
Galeria Virtual
Contato
Links Sugeridos
 
 
Mídia
Informações sobre Erico Santos
EXPOSIÇÃO TRAZ PINTURAS DE LOCAIS DA CAPITAL
sitepoa@band.com.br

Obras de Erico Santos estarão em exibição até dia 16 de outubro
O Paço Municipal e a Fonte Talavera estão entre os destaques da mostra / Erico Santos/Divulgação
O Paço Municipal e a Fonte Talavera estão entre os destaques da mostra

Em sua nova fase, o pintor Erico Santos revisita os cenários urbanos de Porto Alegre. São lugares conhecidos de praticamente todo morador da capital gaúcha: a Praça da Alfândega, o Brique da Redenção, o Mercado Público ou o Paço Municipal.

O detalhe agora é o olhar, marcado por muitas cores e pinceladas fortes, quase impressionistas. “Minha ideia foi destacar os lugares que considero mais representativos e q u e evidenciam a cultura açoriana e o cotidiano da cidade”, destaca o artista de 61 anos e com obras espalhadas pelo mundo inteiro.

O crítico de arte Armindo Trevisan, que assina o texto de apresentação da mostra, destaca que “as telas de Erico podem parecer ingênuas quando vistas apressadamente. Mas convém não subestimá-las. São composições que pressupõem sutileza”.

Os 15 quadros da exposição “Novas Cores para Porto Alegre” estão em cartaz na Galeria Nieto (av. Lucas de Oliveira, 432), até o dia 16 de outubro. Informações pelo tel.: 3330-8407.
ZERO HORA, Porto Alegre, 30/9/3013: A PORTO ALEGRE DE ERICO SANTOS
Aberta para visitação desde a semana passada, a exposição "Novas Cores para Porto Alegre", de Erico Santos, apresenta 15 quadros em óleo sobre tela. Nas obras expostas na Nieto Galeria (Lucas de Oliveira, 432), o artista retrata espaços urbanos icônicos da capital gaúcha com cores diferentes das originais.
A mostra pode ser visitada de segunda a sexta, das 9h às 19h, e aos sábados, das 10h às 14h.
JORNAL DO COMÉRCIO, Porto Alegre, 23 de setembro de 2013
Em foco

Fonte Talavera, Chalé da Praça XV, Igreja Nossa Senhora das Dores (imagem ao lado), Praça da Alfândega, Ponte dos Açorianos e Brique da Redenção nas pinceladas de Erico Santos. O artista abre sua exposição individual de pinturas
NOVAS CORES PARA PORTO ALEGRE
na Nieto Galeria (Cel. Lucas de Oliveira, 432). A inauguração acontece amanhã, às 19h, com visitação até 16 de outubro. Nesta mostra, Santos apresenta 15 quadros em óleo sobre tela da sua nova fase temática, cenas da Capital. Revisitando a cidade com um novo olhar, ele destaca os lugares que considera os mais representativos e os mais belos, principalmente por evidenciar parte da cultura açoriana e do cotidiano urbano. Informações: (51) 3330-8407
O SUL, Porto Alegre, 24 de setembro de 2013: "Novas Cores" de Erico Santos
    Erico Santos inaugura sua exposição individual de pinturas "Novas Cores" (foto) hoje, às 19h, na Nieto Galeria (Cel. Lucas de Oliveira, 432). Na mostra, o artista apresentará 15 quadros em óleo sobre tela da sua nova fase temática, cenas urbanas de Porto Alegre, em que revisita a cidade com um novo olhar e novas cores. Erico Santos destaca os lugares que considera mais representativos e os mais belos da capital gaúcha.
    A mostra fica em cartaz de segunsas a sexta-feiras, das 9h às 19h, e sábados, das 10h às 14h, até o dia 16 de outubro.
METRO POA, 02 outubro de 2013, pag. 09: Porto Alegre em cores
Exposição. Erico Santos mostra novas pinturas, agora retratando a capital gaúcha

Em sua nova fase, o pintor Erico Santos revisita os cenários urbanos de Porto Alegre. São lugares conhecidos de praticamente todo morador da capital gaúcha: a Praça da Alfândega, o Brique da Redenção, o Mercado Público ou o Paço Municipal.
O detalhe agora é o olhar, marcado por umuitas cores e pinceladas fortes, quase impressionistas. "Minha ideia foi destacar os lugares que considero mais representativos e que evidenciam a cultura açoriana e o cotidiano da cidade", destaca o artista de 61 anos e com obras espalhadas pelo mundo inteiro.
O crítico de arte Armindo Trevisan, que assina o texto de apresentação da mostra, destaca que "as telas de Erico são composições que pressupõem sutileza".
Os 15 quadros da exposição "Novas Cores para Porto Alegre" estão em cartaz na Galeria Nieto (av. Lucas de Oliveira, 432), até o dia 16 de outubro.
Informações pelo tel.: 3330-8407
Erico Santos inaugura exposição na Nieto Galeria
Erico Santos inaugurou, na última terça-feira (24 de setembro), sua nova exposição individual de pinturas, intitulada Novas Cores para Porto Alegre, na Nieto Galeria.

O artista apresenta 15 quadros em acrílico sobre tela da sua nova fase temática, cenas urbanas de Porto Alegre, em que revisita a cidade com um novo olhar e novas cores.

A exposição fica aberta à visitação até 16 de outubro, de segunda a sexta, das 9h às 19h, e sábado das 10h às 14 (Nieto Galeria – Lucas de Oliveira, 432, Porto Alegre).
_____
Fonte: Fernanda Pandolf (interina - Blog Clic RBS)
http://wp.clicrbs.com.br/milenafischer/2013/09/26/erico-santos-inaugura-exposicao-na-nieto-galeria/
Revista Freeway homenageia artistas plásticos

A última edição da Revista FreeWay inaugura o projeto ‘Arte na Capa’. A proposta, segundo o editor, Fernando di Primio, é homenagear os artistas plásticos do Estado, através das capas da sétima temporada da publicação. A primeira personalidade reconhecida pelo projeto é o pintor cacequiense Érico Santos. A publicação da Di Primio Editora conta com 40 páginas e relata as principais promessas para o ano de 2013. Além disso, traz matéria sobre suplementos alimentares, dicas de atividades no Litoral, leitura e lazer. A revista está sendo distribuída nos postos de pedágio da Concepa, em Gravataí.

Em 2012, a revista FreeWay foi premiada pela Associação Nacional de Editores de Publicações como uma das melhores revistas customizadas do País. Nesta edição, entre os anunciantes, estão Tramontina, Vonpar, Iesa, Panvel, Zaffari, HDI Seguros, Durafa, GetNet, Senac, Móveis do Bem, Agas e Arena Portoalegrense. O próximo número da publicação começa a circular em 18 de janeiro.

Fonte: http://www.coletiva.net/site/noticia_detalhe.php?idNoticia=48246
As músicas que fizeram sua cabeça entrevista o pintor autoditada Érico Santos
Extraído de: Governo do Estado do Rio Grande do Sul  - 25 de Maio de 2012


  
'As músicas que fizeram sua cabeça' desta semana entrevista o pintor Érico Santos. Natural de Cacequi, Érico é autodidata e conquistou reconhecimento a partir de São Paulo, onde teve suas obras expostas em galerias renomadas.

Atualmente, ele mantém atelier em Porto Alegre e em Milão e seus quadros podem ser vistos na exposição organizada pela Galeria Bublitz. Entre as músicas que marcaram sua trajetória estão a típica canção italiana Torna a Surriento, In the Summertime, de Mungo Jerry, e o Adágio de Albinoni.

O programa AMQFSC é apresentado por Ivete Brandalise e produzido por Jaqueline Chala.

FM Cultura 107,7

As músicas que fizeram sua cabeça

Sábado, 26/05, às 12h

Terça, 29/05, às 22h

Ouça online: www.fmcultura.com.br

Texto: Anahy Metz

Fonte: http://governo-rs.jusbrasil.com.br/politica/8756825/as-musicas-que-fizeram-sua-cabeca-entrevista-o-pintor-autoditada-erico-santos
Exposição mostra obras inspiradas no Moinhos de Vento
ZH MOINHOS (jornal Zero Hora)
08 de maio de 2012

O artista plástico Erico Santos expõe, até o dia 31 de maio, na Galeria de Arte Bublitz (Avenida Neusa Goulart Brizola, 143), telas inspiradas nas paisagens urbanas do bairro Moinhos de Vento. Morador da região, o artista passa diariamente por lugares como o Parcão, a Rua Padre Chagas e a Rua Fernando Gomes, a caminho de seu atelier.

— O bairro é muito inspirador e eu sempre pensava que "precisava" pintar toda essa beleza — diz Erico, que mostra as cenas do Moinhos pela primeira vez em exposição individual.

A visitação é de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h e, aos sábados, das 9h às 16h.]

(Foto e reportagem: Luísa Medeiros)

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/zhmoinhos/2012/05/08/exposicao-mostra-obras-inspiradas-no-moinhos-de-vento/?topo=13,1,1,,,13
Exposição da Galeria de Arte Bublitz apresenta cenas urbanas da Capital
PORTO ALEGRE TURISMO
Arte e Cultura
02/05/2012

Mulheres colhedoras e cenas urbanas de Porto Alegre serão retratadas na Galeria de Arte Bublitz (Av. Neusa Brizola, 143), que dá continuidade ao calendário de exposições de 2012, com trabalhos de Erico Santos. A exposição, que conta com 19 obras, estará aberta para visitação, com entrada franca, de 5 a 31 de maio, de segundas às sextas-feiras, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 16h.

Atualmente Erico Santos trabalha em seus ateliês de Porto Alegre e de Milão, na Itália. É membro da “Famiglia Artistica Milanese”, uma das mais antigas e tradicionais associações artísticas da Europa e Comendador pela União Nacional dos Artistas Plásticos de São Paulo. Além de um dos idealizadores e conselheiro do Museu de Arte de Montenegro, no Rio Grande do Sul, já participou da Bienal de Chapingo, no México e das Off-Bienal 2, 3 e 4, em São Paulo-SP.

Erico Santos realizou mais de 20 exposições individuais e mais de 150 coletivas nacionais e internacionais, cujos principais destaques são: 1976 - Medalha de Ouro no Projeto “CULTUR” da Secretaria de Turismo do RS; 1992 - Medalha de Prata, pelo Conjunto da Obra,  no X Salão de Arte de Rio Claro-SP e 2002 - Menção Honrosa – “Internation Painting Competition” – NAFA – Poços de Caldas-MG . Já em 2003 - Menção Honrosa, VIII Circuíto Internacional de Arte Brasileira, em Roma; 2005 conquistou o “Master Gold Medal - Fascination Best Art” em Miami; em 2005 - “Revelation Award World Talents” em Miami; 2005 - Prêmio Destaque no “England Best Art” em Eastbourne e em 2006 - Grande Medalha de Ouro no “Edinburgh Best Art Show”, Escócia, “United Kingdom; Gran Medalla de Oro - II Exhibición Extraordinaria de Arte”, Madrid, Espana e Master Medalha de Ouro no “II Fantastique Exposition de L’art”, Paris, França.

Serviço:

Exposição do artista Erico Santos

Data: de 5 a 31 de maio de 2012

Horários: das 9h às 19h (segundas às sextas-feiras) e das 9h às 16h (sábados)

Local: Galeria de Arte Bublitz

Endereço: Av. Neusa Brizola, 143

Contato: (51) 3029.0109

Valor: Entrada Franca

Fonte: http://www.portoalegre.travel/site/conteudodetalhes.php?idConteudo=2495
Mulheres e cenas urbanas da capital retratadas por Erico Santos

SOMOS DO SUL
05/05/2012



A exposição contendo 19 obras que retratam mulheres e algumas cenas urbanas de Porto Alegre, obras de Erico Santos, foi aberta ao público na Galeria de Arte Bublitz e fica em cartaz até 31 de maio.

Membro da "Famiglia Artistica Milanese", uma das mais antigas e tradicionais associações artísticas da Europa, e comendador pela União Nacional dos Artistas Plásticos de São Paulo, Erico Santos atualmente trabalha em seus ateliês de Porto Alegre e de Milão. Veja abaixo como você poderá prestigiar o trabalho deste maravilhoso artista:



Quando: De segundas a sextas-feiras, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 16h. Até 31 de maio.
Onde: Galeria de Arte Bublitz (Neusa Brizola, 143).
Quanto: Entrada franca.

Fonte: http://www.somosdosul.com.br/index.php/culturars/259-noticias/ch-sem-foto/4992-erico
Moinhos de Vento Inspira Erico Santos
METRO poa
METRO CULTURA
03/04/2012

As ruas do Moinhos de Vento, um dos bairros mais tradicionais de Porto Alegre, serviram de inspiração para o pintor Erico Santos em sua nova exposição. "Nesta mostra, pretendo apresentar algumas cenas urbanas de Porto Alegre, principalmente do bairro Moinhos de Vento, onde tenho o meu ateliê", destaca o artista. Dono de uma produção colorida e expressiva, Santos se divide entre seus ateliês de Porto Alegre e de Milão, na Itália, onde integra a "Famiglia Artistica Milanese".
A exposição abre neste sábado, às 11h, na Galeria de Arte Bublitz (Av. Neusa Brizola, 143). Visitação até o dia 31 de maio, das 9h às 19h. Tel.: 3029-0109

Fonte: http://www.readmetro.com/en/brazil/portoalegre/20120503/
Artes Plásticas
CORREIO DO POVO
ANO 117 Nº 218 - PORTO ALEGRE, SÁBADO, 5 DE MAIO DE 2012
Arte & Agenda


ERICO SANTOS - Galeria Bublitz (Neusa Brizola, 143), com abertura hoje, das 11h às 15h. Dezenove obras do artista, com cenas urbanas de Porto Alegre e principalmente do bairro Moinhos de Vento, onde possui ateliê. Visitação até 31 de maio, nos sábados, das 9h às 16h, e de segundas a sextas, das 9h às 19h. (na foto, a rua Fernando Gomes).

Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=117&Numero=218&Caderno=5&Noticia=419436
Galeria de Arte Bublitz inaugura exposição de Erico Santos
TERRA - GUIA DE CIDADES - Brasil - Porto Alegre

Do sábado 5 maio 2012 a quinta-feira 31 maio 2012.

A Galeria de Arte Bublitz dá continuidade ao calendário de exposições de 2012 com trabalhos de Erico Santos.

São 19 obras, em exposição por praticamente todo o mês de maio.

Atualmente Erico Santos trabalha em seus ateliês de Porto Alegre e de Milão, na Itália. É membro da Famiglia Artistica Milanese, uma das mais antigas e tradicionais associações artísticas da Europa.

Fonte: http://guiadecidades.terra.com.br/pe/arte-e-cultura-exposicao-galeria-de-arte-bublitz-inaugura-exposicao-de-erico-santos-en-porto-alegre
Erico Santos retrata paisagens de Porto Alegre em exposição
JORNAL DO COMÉRCIO
07/05 04/05/2012 - 20h35min

Erico Santos

GALERIA DE ARTE BUBLITZ/DIVULGAÇÃO/JC


A Galeria de Arte Bublitz abre ao público uma mostra com obras de Erico Santos. A exposição contém 19 obras que retratam mulheres e algumas cenas urbanas de Porto Alegre e fica em cartaz até 31 de maio.

Membro da "Famiglia Artistica Milanese", uma das mais antigas e tradicionais associações artísticas da Europa, e comendador pela União Nacional dos Artistas Plásticos de São Paulo, o artista atualmente trabalha em seus ateliês de Porto Alegre e de Milão. Em sua trajetória, Santos já realizou mais de 20 exposição individuais e passa das 150 coletivas.

Na última década, o gaúcho tem sido condecorado em diversos países: em 2006, recebeu a Grande Medalha de Ouro no Edinburgh Best Art Show, na Escócia, na Exhibición Extraordinaria de Arte, na Espanha, e na II Fantastique Exposition de L'art, na França.

Quando: De segundas a sextas-feiras, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 16h. Até 31 de maio.
Onde: Galeria de Arte Bublitz (Neusa Brizola, 143).
Quanto: Entrada franca.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=92703
Exposição da Galeria de Arte Bublitz apresenta cenas urbanas da Capital
PORTO ALEGRE TURISMO
Notícias
Arte e Cultura
02/05/2012

Exposição da Galeria de Arte Bublitz apresenta cenas urbanas da Capital
Mulheres colhedoras e cenas urbanas de Porto Alegre serão retratadas na Galeria de Arte Bublitz (Av. Neusa Brizola, 143), que dá continuidade ao calendário de exposições de 2012, com trabalhos de Erico Santos. A exposição, que conta com 19 obras, estará aberta para visitação, com entrada franca, de 5 a 31 de maio, de segundas às sextas-feiras, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 16h.

Atualmente Erico Santos trabalha em seus ateliês de Porto Alegre e de Milão, na Itália. É membro da “Famiglia Artistica Milanese”, uma das mais antigas e tradicionais associações artísticas da Europa e Comendador pela União Nacional dos Artistas Plásticos de São Paulo. Além de um dos idealizadores e conselheiro do Museu de Arte de Montenegro, no Rio Grande do Sul, já participou da Bienal de Chapingo, no México e das Off-Bienal 2, 3 e 4, em São Paulo-SP.

Erico Santos realizou mais de 20 exposições individuais e mais de 150 coletivas nacionais e internacionais, cujos principais destaques são: 1976 - Medalha de Ouro no Projeto “CULTUR” da Secretaria de Turismo do RS; 1992 - Medalha de Prata, pelo Conjunto da Obra,  no X Salão de Arte de Rio Claro-SP e 2002 - Menção Honrosa – “Internation Painting Competition” – NAFA – Poços de Caldas-MG . Já em 2003 - Menção Honrosa, VIII Circuíto Internacional de Arte Brasileira, em Roma; 2005 conquistou o “Master Gold Medal - Fascination Best Art” em Miami; em 2005 - “Revelation Award World Talents” em Miami; 2005 - Prêmio Destaque no “England Best Art” em Eastbourne e em 2006 - Grande Medalha de Ouro no “Edinburgh Best Art Show”, Escócia, “United Kingdom; Gran Medalla de Oro - II Exhibición Extraordinaria de Arte”, Madrid, Espana e Master Medalha de Ouro no “II Fantastique Exposition de L’art”, Paris, França.

Serviço:

Exposição do artista Erico Santos

Data: de 5 a 31 de maio de 2012

Horários: das 9h às 19h (segundas às sextas-feiras) e das 9h às 16h (sábados)

Local: Galeria de Arte Bublitz

Endereço: Av. Neusa Brizola, 143

Contato: (51) 3029.0109

Valor: Entrada Franca

Fonte: http://www.portoalegre.travel/site/home.php

ESPAÇO ARTE UNIMED : NOVA EXPOSIÇÃO
Assis Tomas Monteiro Vieira

17 Abril 2010 - O Projeto ESPAÇO ARTE UNIMED é uma parceria entre o Espaço Vida Unimed , Museu de Artes de Montenegro e Fundarte. Pelo protocolo firmado , periodicamente são realizadas exposições de Arte nas dependências do Espaço Vida , aproveitando a grande quantidade de pessoas que circulam no local , e organizadas pelas duas instituições.

Dia 19 de abril ocorreu o evento de inauguração de mais uma exposição. Trata-se de uma coleção de 46 obras , de pintores reconhecidos no cenário gaúcho e nacional , e que em 2008 foram doadas pelo pintor ERICO SANTOS para a constituição do acervo do Museu de Artes de Montenegro , que a partir de então sucedeu a Pinacoteca Enio Pinalli.

O evento foi prestigiado pela presença de Erico Santos , bem como pelo Secretário Municipal de Educação e Cultura Prof. Renato Antonio Kranz , pela Diretora do Museu Rosane Brochier Nicoli , pela Diretora executiva da Fundarte Maria Isabel kherwald, pelo Vice-Presidente da Unimed Dr. Paulo Roberto Pollet , cooperados da Unimed Vale do Caí e convidados.

Fizeram uso da palavra o Diretor do Espaço Vida Dr. Dirceu Mauch ; a Diretora do Museu Rosane Nicoli ; o doador do acervo Erico Santos; o Secretário Prof. Renato Kranz e o Vice-presidente da Unimed Dr. Paulo Pollet.

Ao final da cerimônia os presentes visitaram as obras expostas e confraternizaram durante o coquetel oferecido pela Unimed Vale do Caí.
_______
Fonte:  Portal Unimed (    http://www.unimed.com.br/pct/index.jsp?cd_canal=53206&cd_secao=53199&cd_materia=300276   )
ENTRE A ARTE E A REALIDADE
REVISTA BEM ME QUER, janeiro de 2010 (capa e página 23).

"Talentos gaúchos contam como conseguiram transformar criatividade e habilidade artística em um ótimo negócio"

FUTURO PROMISSOR
  
    Formado em Direito, Erico Santos, de Cacequi, na Região Central do Estado, 58 anos, ouvia do pai o conselho do que seria um futuro promissor: "Vai ser funcionário público, meu filho. Depois da aposentadoria, terás dinheiro e tranquilidade para te dedicar às artes." Durante muito tempo, Santos acreditou na sugstão. Mesmo com telas premiadas - a primeira homenagem foi conquistada em 1976 -, o pintor autodidata demorou um bocado para tirar do pincerl o próprio sustento. "Já abri escritório de advocacia e tentei, inclusive, vender enciclopédias. Foi um fracasso", recorda. E acha graça das aventuras passadas.
    A insistência em fazer carreira em profissões supostamente mais seguras não tirou a arte do cotidiano de Santos. Ele passou um ano em São Paulo, auxiliando o artista italiano Renzo Gori (1911-1998) em trabalhos de restauração. Neste período, produziu telas e muitas delas foram parar em galerias paulistanas. No retorno a Porto Alegre, Santos continuou pintando e enviando os trabalhos para a capital  paulista.
    No final da década de 1980, estimulado por um empresário do comércio de arte de Porto Alegre, Santos decidiu dedicar-se exclusivamente à pintura. Hoje, produzinho cerca de 50 quadros por ano, o pintor tem dois ateliês: em Porto Alegre e São Paulo. "Tenho minha rotina de trabalho, mas artista precisa de inspiração. Se não estou inspirado, não pinto. Cuido da parte burocrática."
  
ERICO SANTOS : UM CIDADÃO DO MUNDO CONHECE A TERRA NATAL
Três Rios FM > Notícias > Especial
  
25/11/2009


  
Passou a Feira do Livro e voltamos à rotina! Somente a chuva continua! Do evento promovido pela primeira vez sob a coordenação da Prefeitura Municipal, diante da necessidade de ampliação do mesmo e jamais por incapacidade da nova direção do CNSG, como tentaram "plantar" alguns, ficaram excelentes lembranças e lições. Entre as melhores recordações está a visita do artista plástico Érico Santos que retornou à sua terra natal depois de conquistar fama internacional. A reportagem da Folha Três Rios acompanhou o artista em algumas visitas e registramos nesta matéria especial alguns momentos. Logo ao chegar à Feira do Livro Érico, foi abordado por jovens cacequienses que fizeram questão de manifestar sua admiração pela obra do artista. Foi a primeira das tantas emoções que Santos experimentaria enquanto estivesse por aqui. Subindo as escadas de madeira que levam à SMED e ao Museu, no prédio da antiga Estação Ferroviária, ele parou para dizer: --Aqui a minha mãe trabalhou como datilógrafa e o meu pai como contínuo! A afirmação expressava a emoção do artista no contato com suas raízes. Depois o acompanhamos na visita ao Museu da Memória Ferroviária onde Érico parecia um menino examinando fotos e documentos à procura de algum registro ou imagem comprovando a presença da família na cidade. Seu avô materno, Álvaro Leitão, que hoje é nome de Bairro, acolheu o casal em uma pequena casinha de madeira localizada ao lado do prédio em que hoje é a Prefeitura. Ali o artista nasceu no dia 8 de janeiro de 1952. -A vida era difícil para os meus pais, mas eles lutavam para melhorar de condições. Minha mãe estudava e trabalhava como diarista datilógrafa da Viação Férrea onde o meu pai também trabalhava como contínuo. Poucos meses depois, meu pai passou no concurso para conferente e se mudaram para Santa Maria, um grande centro ferroviário, na época. Eu tinha pouco mais de dez meses. O avô era forte comerciante, mas o pai era pobre e lutava para construir a sua própria vida. No palco da Feira do livro Érico Santos falou ao atento público sobre sua vocação para a arte apresentando um resumo do que está descrito em seu site: -Em Santa Maria eu cresci brincando pelas ruas e terrenos baldios, soltando pandorga, rolando pneu, jogando bolita,  andando de bicicleta, numa época em que isto era possível. Meus pais sempre lutando pela vida: a mãe se tornou professora e o  pai advogado. Fui aluno da minha mãe no primeiro ano do ensino primário. Ela se socorria a mim quando não conseguia desenhar alguma figura no quadro negro. Depois os coleguinhas não me perdoavam e eu tinha que desenhar no caderno de cada um. Mas eu ficava muito orgulhoso. Fui crescendo, pré-adolescente, passava dezenas de vezes de bicicleta na frente da casa de uma coleguinha que eu gostava, carregando um caderno de desenho na esperança de que ela aparecesse, me desse um "oi" e perguntasse o que tinha no caderno. Eu imaginava que podia conquistá-la com meus desenhos. Naquele caderno eu tinha reproduzido a grafite, retratos dos meus pais, de Jesus Cristo, de Pedro Álvares Cabral etc., tudo tirado de fotografias e dos meus livros de história e religião. Era um contumaz devorador de histórias em quadrinhos. Não perdia um número do Pato Donald, Zé Carioca, almanaque do Tio Patinhas, Bolinha, Pernalonga e a revista Cacique que circulava somente em Santa Maria, nos anos 50 e 60. Enquanto o meu primo lia cinco revistinhas eu lia uma. Ele me chamava de lento, mas ele não sabia que eu lia e ficava analisando todos os detalhes dos desenhos, da precisão dos traços, procurando adivinhar como os desenhistas faziam e que materiais usavam. Conseqüentemente, comecei a desenhar histórias em quadrinhos com meus próprios personagens: Dom Cartola, o Gato Peri, o Ganso Odorico e outros com visível influência do Walt Disney. Eu já tinha meus 17 anos quando a minha prima que estudava música no Instituto de Artes da Universidade Federal de Santa Maria, me levou para frequentar uma aula de desenho com modelo ao vivo. Como "aluno-ouvinte", o meu desenho foi muito elogiado pelos mestres. Lá, fui apresentado aos pintores Cláudio Carriconde e João Quaglia, cujas breves conversas me trouxeram inesquecíveis ensinamentos. Também em seu site o artista fala da vida em Porto Alegre e dos passeios pela Rua da Praia. Eu nunca deixava de olhar os quadros na vitrine da Galeria Edelweiss, lá em cima, na Andradas. Existe até hoje. Ficava me deliciando com aquelas rosas, que saiam da tela,  derramadas daquelas cestas de vime, tão vivas como se recém colhidas. Em Santa Maria, não havia museus de arte, nem galerias. Eu me abastecia nas reproduções que eram vendidas nas livrarias. Um interesse pela pintura que eu não sei explicar de onde veio. Fazia incansáveis estudos com cores em tampas de caixas de sapato, papelão, madeira etc. Ia para a natureza, ao ar livre e tentava decifrar as cores, os planos... olhava as reproduções e tentava fazer. Lembro que eu tinha uns dez anos quando ganhei duas telinhas pequenas do meu pai e uns tubinhos da antiga e extinta tinta "Hering". Foi frustrante a minha primeira tentativa de copiar uma paisagem direto da natureza. Não conseguia. Acabei me irritando. Parti a tela em pedaços. Mas agora, já mais maduro, eu estava descobrindo a pintura, já que o desenho eu tinha e nele eu me garantia. Estas experiências com as infinitas possibilidades cromáticas, com a observação da natureza, me serviram muito para o aprendizado da pintura. Sempre sozinho. Um autodidata convicto. Aos 18 anos, resolvi que tinha que trabalhar para ter o meu próprio dinheirinho e atendi a um anúncio no jornal que recrutava desenhista para uma empresa de placas de letreiros e logotipos. Ganhei o emprego porque consegui desenhar com mais perfeição a letra S, a mais difícil.
Chegou a época de fazer vestibular, definir o futuro, seguir uma profissão. Nunca me passou pela cabeça a arte. Esta era a minha paixão, desde muito pequeno. Mas um futuro seguro nunca foi recomendado a quem pretendia ser artista. Entrei para a faculdade de Direito da UFSM em 1972, influenciado pelo meu pai, mas sempre pintando e desenhando, já com quadros em galerias de arte de São Paulo e fazendo cartuns para revistas do centro do país. Suspendi por um ano a faculdade para trabalhar em São Paulo no atelier de Renzo Gori.  Acabei me formando em Direito em 1978. Exerci a advocacia por quase dez anos.  Particularmente Érico nos contou da mudança de Santa Maria para Porto Alegre, em 1981, da carreira como funcionário público e de sua demissão em 29 de setembro de 1987, que viria a forçá-lo a se dedicar inteiramente à arte. -Eu era contratado e no ano seguinte entraria em vigor a nova Constituição que asseguraria efetividade a todos os servidores contratados. Um lance de perspicácia do então secretário de administração do governo Pedro Simon que resultou em massivas demissões no Estado. Passei apartir de então, a me dedicar exclusivamente à pintura.
Voltemos à Feira do Livro! Enquanto esteve em Cacequi, Érico foi carinhosamente homenageado por seu povo. Visitou o Prefeito em seu gabinete, foi ao local onde nasceu, almoçou com o primo Beto e com o pessoal da SMED, tirou fotos em frente à Prefeitura e a Igreja Católica, foi apresentado à professora Lenir da Silveira, recebeu frutos e sucos produzidos aqui e levou consigo a melhor das recordações de sua cidade natal.

  

O NOME: ERICO SANTOS
ZERO HORA - MOINHOS - 17 de setembro de 2009

UMA CARREIRA RESTAURADA PELO ACASO

Nada de pais ou mestres. Erico Santos agradece mesmo é ao senador Pedro Simon por ter optado unicamente pela carreira de artista plástico. Na época em que governou o Rio Grande do Sul, entre 1987 e 1990, Simon determinou a exoneração do artista do cargo de procurador autárquico no Instituto de Previdência do Estado (IPE).
Santos nasceu em Cacequi, na região central do Estado, em 1952. Nos anos 1970, mudou-se para a vizinha Santa Maria, onde começou a cursar direito. A paixão pelos tribunais veio acompanhada da oportunidade de trabalhar em um ateliê de pintura em São Paulo. Lá, Santos aprendeu técnicas de restauração e pintura com o artista florentino Renzo Gori.
– Nas horas de folga, comecei a pintar. O pessoal ia buscar quadros dele e acabava levando alguns meus também – conta.
Santos estava quase se entregando à carreira artística quando a dúvida bateu novamente à sua porta. Voltou para Santa Maria para terminar a faculdade. Mudou a atividade principal, mas os momentos livres continuaram sendo dedicados à pintura. Em 1981, o recém bacharel em Direito veio para Porto Alegre trabalhar no IPE.
– Foi quando pensei que minha carreira artística tinha acabado de vez. Os meus colegas garantiram que as pessoas nunca eram demitidas, mesmo nos cargos de confiança. Sorte a minha que o Simon resolveu surpreender todo mundo – comenta.
Em 2004, após mais uma temporada em São Paulo, Santos começou a buscar um local para instalar seu ateliê na Capital, já que pretendia dividir seu tempo entre as duas cidades. O bairro foi a primeira definição. Tinha de ser no Moinhos de Vento. Mas, de início, ele queria uma casinha simples, com um quintal. Não deu sorte na pesquisa e aceitou, meio a contragosto, a proposta da corretora para ver um flat na Padre Chagas.
– O vendedor nem sabia da minha profissão e me apresentou o flat dizendo que era inspirado nos ateliês de artistas em Nova York. Me ganhou ali mesmo.
Além do ateliê, Santos também mora no bairro, na Rua Barão de Santo Ângelo. E não vê muita perspectiva em trocar a região, que considera muitíssimo agradável. A menos, é claro, para cumprir sua agenda de exposições. A próxima viagem é para o México. Será o artista convidado da bienal de lá.



ZERO HORA - SEGUNDO CADERNO - 30 de março de 2009
CORAÇÃO VERMELHO

Faltam exatos cinco dias para os corações de 3,2 mil colorados pulsarem mais forte. A diretoria do clube só tem uma definição para a festa do centenário: emoção. Muita emoção no Beira-Rio e no Gigantinho no próximo dia 4. A coluna não resistiu e deu uma espiada nos preparativos, que terá efeitos pirotécnicos. O ginásio já está quase todo revestido de vermelho. A banda Ataque Colorado receberá convidados e todos brindam as conquistas do Inter. Sócios, autoridades, jogadores, muitos ex-jogadores e a diretoria.
O convite é uma reprodução da linda tela de Erico Santos que enfeita a sala dos presidentes do Sport Club Internacional. Não por acaso, já está marcada a data do final dos festejos dos cem anos para 17 de dezembro, dia em que o Inter conquistou o Mundial. Mais corações colorados vão acelerar. A única atração praticamente confirmada é Ivete Sangalo. A expectativa é que a cúpula do clube bata o martelo sobre o formato e sobre qual das produtoras gaúchas assinará o evento, cheio de atrações musicais. A visita ao Beira-Rio serviu também para conhecer a maravilha de trabalho de Constance Piffero. Dona de uma vivacidade única, ela cuida de perto das atividades de dezenas de crianças abrigadas da Fasc. A área verde à beira do rio está repleta de vida. A gurizada recebe cuidados, brincadeiras, oficinas, esporte e o mais importante: afeto. Emociona ver de perto o que Constance tem feito por lá. Exemplo a ser seguido.
(MARIANA BERTOLUCCI)

O FAMOSO PINTOR CACEQUIENSE
Jornal "FOLHA DE TRÊS RIOS", de Cacequi-RS, abril de 2009

Estamos diante de um artista consagrado, muito respeitado e com obra vasta que vem desde seus 12 anos quando, por essas coisas do talento inato, enveredou para a pintura de telas. À medida que mais se envolvia, mais ganhava projeção. Tanto que sua arte chamou a atenção do pintor italiano Renzo Gori, na verdade um dos maiores restauradores de obras de arte do mundo. Não teve jeito, Erico trancou a matricula na Faculdade de Direito para se mudar para São Paulo, e acompanhar o mestre como retocador de pintores como Pedro Américo, Di Cavalcanti e Portinari. Seu traço original, marcado pela pinceladas gestuais e figurativas, o fixou definitivamente na pintura, mesmo que tenha vindo a se formar advogado e até ocupar o cargo de Procurador do Instituto de Previdência do Estado. A cada exposição sua, como a que aconteceu no começo deste mês na Assembléia Legislativa onde pode mostrar suas "mulheres da terra", as noticiais trazem sempre "o pintor gaucho nascido em Cacequi...". Erico Santos faz questão de salientar sua origem, embora tenha saído de Cacequi pouco depois que nasceu, em 1952. É filho do Dr. Aerthe Corsino dos Santos, conhecido advogado que muitos serviços prestou a Cacequi e de dona Cloé Leitão, de tradicional família da cidade, e que hoje moram em São Sebastião do Caí. Gosta de contar que seus pais se conheceram na estação férrea, a praça de encontros da época, e que muitas vezes voltou a Cacequi para freqüentar o carnaval e banhar-se nas água do rio Cacequi em cujas margens seu avô Alvaro Leitão teve terras. Hoje o pintor é referencia e faz muito sucesso com os seus livros sobre pintura moderna como ?Pintura e palavra?, o mais conhecido. Possui atelier em São Paulo e na capital gaucha, mantendo exposições regulares em toda Europa e Estados Unidos. Nessa trajetória, conquistou medalha de ouro na Escócia, em Madri e em Paris, além de participar, como artista convidado, da 1ª Bienal Internacional de Arte de Chapingo, no México. Seus quadros freqüentam hoje coleções famosas do mundo inteiro. Érico usa tons fortes e quentes e o efeito produzido pelas cores e motivos variadissimos por sinal- é de encantar. O leitor é testemunha, de que tenho buscado enfatizar aspectos positivos de nossa terra e de nossa gente. Às vezes nos defrontamos com o pessimismo e até esbarramos em alguma má vontade. Por isso saber que o prestigiado Érico Santos é nosso conterrâneo, e faz questão de anunciá-lo, é de comemorar. E, com certeza, fortalece nossa auto-estima. Recomendo que acessem o seu site para apreciar as nuanças da obra do famoso pintor cacequiense: www.ericosantos.com.br (Paulo Josué Rocha do Canto).
ERICO SANTOS: ARTISTA COM INSPIRAÇÃO CAMPESTRE
Com afinidades neo-impressionistas, o artista cria uma arte com características próprias, que vêm do interior de sua memória e imaginação
"Para Erico Santos, vida e arte andam juntas". Assim define o curador e crítico de arte, Carlos Von Schmitt sobre o artista gaúcho. Os quadros São Francisco e Colheita de Marcela, localizados na entrada da Superintendência, no Hall dos elevadores do térreo do Hospital Moinhos de Vento, retratam cenas campestres por meio de uma perspectiva côncava, síntese do seu trabalho.
Conforme Erico Santos, a temática rural é um pretexto para desenvolver a técnica acadêmica e tradicional, com o moderno e diferenciado, que refletem sua identidade artística: "Através do campo consigo unir forma e estilo, sombras e luz. As cores são jogadas com coerência, resultando em profundidade, distância e perspectiva".
Ele afirma que o tema campestre é pitoresco, poético e traz à tona o tributo que deve ser dado às pessoas do campo, além de refletir reminiscências da infância e sua ligação com o interior. "Quando morava em Santa Maria, saía de bicicleta e já estava nas plantações de arroz. Eu veraneava em Cacequi, à beira do rio, andava a cavalo e pela lavoura e essa identidade trago comigo".
As telas, com tinta à óleo, se completam com a presença das mulheres do campo,retratadas na maioria dos seus trabalhos, e que têm como característica saias redondas e coloridas. Em Colheita de Marcela, elas se entrelaçam na frente, atrás e no fundo da pintura. "Já me perguntaram o que são as mulheres, se são japonesas, índias ou africanas. Mas eu não sei, pois não são realistas. Elas representam uma exteriorização de algo interno e têm um jeito próprio de ser". As cores quentes das roupas são suavizadas por aventais brancos. "Eu sempre estudei a sombra no branco e descobri que pode ser tão colorida quanto uma flor que está em primeiro plano, clara e leve", explica.

Como tudo começou

Natural de Cacequi, Erico passou a infância e a juventude em Santa Maria. Seu contato profissional com a arte começou em 1976 quando, a convite do pintor e restaurador florentino Renzo Gori, foi a São Paulo ajudá-lo na restauração de obras de artistas importantes como Cândido Portinari e Di Cavalcanti. Após um ano, retornou a Santa Maria, concluiu o último ano do curso de Direito, mas continuava enviando os quadros à capital paulista.
Em 1981, mudou-se para Porto Alegre e trabalhou como Procurador Autárquico no Instituto de Previdência do Estado do RS. Sempre mesclando a advocacia com a pintura, começou a se introduzir no meio artístico gaúcho.
Em 1987, houve uma demissão em massa no órgão estadual, que também atingiu Erico. "Aquilo foi uma espécie de redenção. Eu gostava da advocacia, mas sempre brinco que, graças ao governador da época, Pedro Simon, hoje sou pintor!"

Depois da redenção

Desde então, Erico começou a dedicar-se integralmente à carreira artística, participando como jurado em salões oficiais de arte, palestrando em universidades e escrevendo sobre arte em jornais e revistas especializadas. Ele já realizou mais de 20 exposições individuais e mais de 150 coletivas, e tem dois livros publicados (Pintura & Palavra e Arte: emoção e diálogo). Atualmente, divide o tempo entre os ateliers de Porto Alegre, do sítio da família, em Montenegro, e a Galeria André, em São Paulo, a maior da América Latina. Trabalhando também em Cremona, interior da Itália, Erico pretende montar um atelier em Milão.
Pintando há 30 anos, o artista acredita que esta carreira é muito longa para o pouco tempo de vida de um ser humano. "O artista plástico evolui lentamente, pois tem um trabalho que corre de boca em boca e tem um aprendizado técnico trabalhoso que acontece por meio da experimentação, até conquistar uma identidade própria".
Casado com a advogada Paula com quem tem dois filhos, Felipe e Gabriel, o artista parabeniza a Instituição pela iniciativa de decorar seus ambientes com obras de arte. "Acredito que todas as obras foram bem escolhidas. São terapias cromáticas e auxiliam tanto os visitantes quanto os que estão internados. É um tipo de arte que reconstitui e revigora, traz otimismo e dá tranqüilidade". E completa: "Para mim, é um orgulho ter quadros em lugares como o Hospital. Gostaria que tivesse mais e maiores. Quem sabe um dia!".
(Esta reportagem com o artista gaúcho Erico Santos foi publicada na
revista Bisturi do Hospital Moinhos de Vento pela jornalista Stéphanie Parker Chagas. )

ARTE - Erico Santos

    Conheça mais sobre o gaúcho Erico Santos, artista plástico que conquista com talento e sensibilidade
    
    Você deve ter notado que nossa capa é especial. Especial tanto pelo que representa, um dos maiores patrimônios culturais do nosso Estado, quanto pela forma como ela foi concebida. Trata-se de um trabalho do artista plástico gaúcho Erico Santos, desenvolvido especial e exclusivamente para esta edição da Construarte. Retratando o Theatro São Pedro, nosso tema da capa, ele presenteia de forma muito cordial a cada um de nossos leitores que terão a oportunidade de conhecer, ou conhecer ainda mais, o seu trabalho. “É uma grande oportunidade de fazer um tipo de pintura que gosto muito e que não é muito comum na minha carreira, uma cena urbana. O Theatro São Pedro é o maior patrimônio cultural dos gaúchos, uma casa que nos orgulha muito e temos que agradecer aos que têm lutado tanto para mantê-lo”, diz o artista. A obra está sendo doada ao Theatro São Pedro.
    Hoje, Erico Santos divide seu tempo entre o atelier de Porto Alegre e o de São Paulo. Ele conta que decidiu se localizar estrategicamente no centro do País. “Penso que um artista tem que se situar estrategicamente onde o seu trabalho tenha condições de ser visto da forma mais ampla possível. Acho que estes meus dois pontos de atuação, em Porto Alegre e em São Paulo, me permitem isto”, conclui.
    ESCOLHA
    Natural de Cacequi, Erico Santos nasceu em 1952. Começou a pintar profissionalmente a partir de 1976, em São Paulo, no bairro Pinheiros, no atelier do pintor e restaurador florentino Renzo Gori. Ajudou Gori a restaurar obras de importantes artistas como Portinari, Di Cavalcanti, Tarsila, Rebolo, Bonadei, Volpi, entre outros e os quadros que pintava eram levados pelos marchandes que freqüentavam o atelier. Em 1977 retornou para Santa Maria, no Rio Grande do Sul para concluir o curso de Direito. De 1978 em diante, alternou a advocacia com a pintura. Em 1981 foi para Porto Alegre para assumir o cargo de Procurador Autárquico no Instituto de Previdência do Estado. Em 1987 passou a se dedicar exclusivamente à pintura onde se tornou um dos líderes no mercado do sul do País. “Acho que a minha vida é a pintura. Não sou filho de artistas, nem de colecionadores de arte. Minha infância foi numa cidade onde não tinha grandes museus de arte e em minha época pouco se falava de pintura nos programas didáticos das escolas que freqüentei. Meu acesso à pintura se dava pelas reproduções fotográficas que via e nas raras vezes que vinha a Porto Alegre com meus pais e eu pedia sempre para olhar as pinturas na vitrine de uma galeria que ficava perto do hotel onde parávamos”, observa.
    EM TODA PARTE
    Erico costuma dizer que o lugar onde menos se encontra uma obra sua é no seu atelier. Isso porque ele trabalha somente por encomenda. Pinta e entrega. A inspiração, diz, vem de toda parte, a qualquer momento, quando pára para descansar, quando caminha pelas ruas, dirige e até mesmo à noite, na tentativa de dormir.
    E para quem quiser saber mais sobre arte, Erico Santos dá a dica. As maiores obras de arte, comenta, estão espalhadas em diversos museus pelo mundo. Mas, é na Itália e na França onde se encontram os mais valiosos patrimônios artísticos da humanidade. “Porque o melhor do Renascimento está na Galleria degli Uffizi, em Florença, a Santa Ceia, de da Vinci, está na Igreja de Santa Maria delle Grazie, em Milão, o Juízo Final, de Michelangelo, está na Capela Sistina do Vaticano e as obras mais importantes do Impressionismo estão no museu Orsay, em Paris onde também tem o Louvre, simplesmente o maior museu do mundo onde está concentrada toda a história da arte”, afirma. Para conhecer mais de Erico Santos acesse www.ericosantos.com.br.

2008 - ConstruArte - Todos os Direitos Reservados - Powered by: Infoway
    
IG TURISMO: A Gramado dos artistas
Criadores que encontram inspiração na cidade gaúcha dão as dicas de turismo
Paula Bosi


Conhecida pelo famoso festival que reúne personalidades do cinema todos os anos, Gramado é muito mais do que cultura, chocolate e frio. Situada na Serra Gaúcha, há 145 km de Porto Alegre e a apenas 5 km da “irmã” Canela, a pequena cidade de 30 mil habitantes costuma receber até quatro vezes sua população durante as férias de inverno e finais de semana. Contruções em estilo colonial que lembram a Europa, geografia privilegiada com vales e lagos belíssimos, cachoeiras, florestas de araucárias e plantações de hortênsias, lojas de artigos em couro e roupas de lã, deliciosos chocolates, cafés e bistrôs, luxuosos hotéis nas montanhas, tudo é convidativo e aconchegante nessa cidade fundada por imigrantes alemães e italianos no fim do século XIX.

Gramado, apelidada de Jardim das Hortênsias, possui até um dia para comemorar a sua flor-símbolo: 7 de julho, Dia Municipal da Hortênsia. Com charme e glamour nas quatro estações, a cidade mantém a herança colonial (ressaltada na Festa da Colônia, em abril) e encanta os turistas que a visitam pela primeira – ou enésima - vez. Em suas montanhas, vales e belas paisagens, esconde-se um encanto peculiar, que serviu de inspiração para as obras do artista plástico Erico Santos e as composições da cantora gaúcha Adriana Deffenti.

Confira o que há de melhor em Gramado aos olhos desses artistas que a conhecem tão de perto:

“Gramado é uma cidade para todas as estações. No inverno, tendo muita sorte, pode-se pegar uma nevezinha; em dezembro, tem o Natal Luz, imperdível. A Rua Coberta é ponto obrigatório para quem quer os melhores cafés, restaurantes e onde, na Estação Gramado (de 27 de junho a 3 de agosto), haverá vários eventos culturais. Pontos turísticos interessantes e belos não faltam: o Lago Negro, o Mirante do Belvedere, a Cascata dos Narcisos, a Igreja Matriz São Pedro e, já que está pertinho, não deixe de ir à Cascata do Caracol, em Canela. Hotéis e pousadas têm a escolher. Todos aconchegantes. Sugiro os que tenham vista para o Vale, como Casa da Montanha, Serrano, Alpestre e Mercure.

Resumindo, Gramado é um pedacinho da Europa dentro do Rio Grande do Sul, com seus chocolates, sua arquitetura peculiar, sua limpeza, sua geografia deslumbrante, suas flores, sua gastronomia e seu povo educadíssimo.

Já estive em Gramado inúmeras vezes, muitas delas só para passar o dia. Houve época em que passei uma semana inteira na cidade fazendo estudos da paisagem local para as minhas pinturas. Muitas obras foram inspiradas na geografia de Gramado, em meus passeios pelo interior, como Margaridas (2007), Mulheres e Flores (2007) e Girassóis (2005).”

http://turismo.ig.com.br/julho/noticias/2008/07/31/a_gramado_dos_artistas_1480344.html

Artista plástico é homenageado pelo Grêmio
17.09.2007
104 Anos de Glória


O artista plástico Érico Santos foi homenageado com uma placa pelo Grêmio nesta segunda-feira. A homenagem faz parte das comemorações dos 104 Anos do Clube. Érico é um apaixonado pelo Tricolor e em setembro de 2005 doou a sua tela “Todos os dias serão Azuis”. A obra ocupa lugar privilegiado na sala da presidência e retrata as grandes vitórias do Grêmio.

Para o presidente Paulo Odone, a tela é pé quente, porque desde que ela chegou ao Olímpico o Grêmio tem conquistado importantes títulos e venceu jogos importantes, como o Gre-Nal.

Participaram da homenagem os membros do Conselho de Administração Túlio Macedo, César Pacheco e Eduardo Antonini, o assessor de futebol, Paulo Pelaipe, o conselheiro José Silvas, além da família e alguns convidados do artista.

Seja sócio do Grêmio.

Origem: site do Grêmio
http://www.gremio.net:80/news/view.aspx?news_type_id=1&id=3224&language=0
Um convite ao diálogo sobre arte
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, QUINTA-FEIRA, 11 DE NOVEMBRO DE 1999
Um convite ao diálogo sobre arte





Pintor Erico Santos escreve sobre arte



Érico Santos autografa hoje, o livro 'Arte Emoção e Diálogo', às 17h, no Pavilhão da Feira do Livro. O autor debate nesta publicação questões atuais da arte, tecendo considerações sobre a evolução do gosto, dos estilos e principalmente dos suportes artísticos que tanto desconcertam o público. O autor aborda o assunto numa linguagem objetiva, tornando-a acessível tanto para o público leigo quanto para estudantes de artes. Tanto que algumas faculdades de artes e até de filosofia já adotaram o livro em sala de aula.

Com lucidez e simplicidade, Santos estabelece as bases para um diálogo fértil com o leitor, convidando-o a ser receptivo em relação às diferentes correntes estílisticas, e a reagir positivamente aos estímulos que são expressos pelos artistas em suas obras.






Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




Erico Santos pinta a Via Sacra
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SEXTA-FEIRA, 24 DE DEZEMBRO, E SÁBADO, 25 DE DEZEMBRO DE 1999
Exposições são atração
Via Sacra na Igreja Perpétuo Socorro será inaugurada hoje à noite




Érico Santos é o autor das pinturas da Via Sacra



A Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (rua Nelson Zang, 285, bairro Intercap) estará em festa neste dia 24 de dezembro, a partir das 20h, não apenas pela celebração da noite de Natal, mas também pela inauguração das 14 Estações da Via Sacra no templo. Com 60 centímetros de altura por 40 de largura, as obras foram pintadas com técnica de óleo sobre tela.

O autor das pinturas é Erico Santos. Advogado, professor e servidor público, atua no mercado de arte brasileiro desde os anos 70, com participações em salões oficiais, importantes mostras coletivas e diversas individuais. É apontado como um dos pintores expoentes do mercado de arte do Rio Grande do Sul. Já lançou o livro 'Pintura & Palavra e Arte: emoção e diálogo' e é verbete em dicionários como 'Art Trade Internacional Guide of Quotation', de Narcizo Martins, Porto, Portugal, 1993; 'Artes Plásticas Brasil', de Julio Louzada, São Paulo; e 'Dicionário de Artes Plásticas no Rio Grande do Sul', de Renato Rosa e Decio Presser, Porto Alegre, 1997.



Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Erico Santos retrata a cultura do Rio Grande
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SEXTA-FEIRA, 1º DE JUNHO DE 2001
Érico Santos retrata cultura do Rio Grande




A Galeria da Vera, na Associação Leopoldina Juvenil (Marquês do Herval, 280), abre, amanhã, exposição individual do pintor Erico Santos. A mostra permanece no local até o dia 16, com horário de visitação das 10 às 12h (exceto nas segundas-feiras), e das 14 às 19h, além dos sábados, das 11 às 14h. A pintura do artista é marcada por efeito exuberante de luzes e cores, jogos de planos e pelo inconfundível movimento impresso às pinceladas, generosas e precisas, na técnica de espatulado. Érico Santos circula no mercado brasileiro de arte desde 1970, com incursões também pela ilustração, cartunismo e desenho publicitário. Atuou de 1997 a 1999 como crítico de arte em revistas especializadas e lançou, em 1998, o livro 'A Pintura e a Palavra'. Na temática das coleções, o cotidiano e elementos do folclore gaúcho, como as vindimas, diversas lendas locais, charqueadas, criações de gado e lida agrícola.





Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Capital e Europa recebem arte do Sul
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SÁBADO, 12 DE JULHO DE 2003
Capital e Europa recebem arte do Sul
Mostra de Erico Santos chega à Galeria Da Vera, e 'Missões Jesuíticas' ganha exibição em Portugal



Obras de Erico Santos retratam paisagens campestres



Aarte gaúcha ganha espaços, a partir de hoje, na Capital e na Europa. Aqui, a Galeria Da Vera, na Associação Leopoldina Juvenil (Marquês do Herval, 280), inaugura hoje, às 18h, a mostra de pinturas de Erico Santos, precedida de palestra, às 17h, do jornalista e crítico Jacob Klintowitz. A exposição segue até o próximo dia 20, com visitação de segundas a sextas, das 10h às 12h e das 13h às 19h; e aos sábados, das 11h às 14h. Também hoje, parte para a Europa a coleção completa da exposição 'Missões Jesuíticas do Brasil', que esteve em cartaz recentemente na Galeria Xico Stockinger da CCMQ (Andradas, 736).

A colheita de flores como margaridas e girassóis segue como a temática de primeira escolha de Erico Santos, em obras nas quais as cores vívidas se destacam. Os morros da cidade de Montenegro, onde fica o ateliê do artista, também surgem em algumas telas. Formado em Direito, Santos dedicou-se ainda, paralelamente, a desenho publicitário, ilustrações e cartuns. Atua no mercado de arte brasileiro desde a década de 70, com participações em salões oficiais, mostras competitivas, coletivas e individuais. É de sua autoria a Via Sacra pintada para a igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Capital. Também foi jurado em salões de arte, além de escrever sobre o tema para revistas e jornais. Jacob Klintowitz, autor de 80 livros sobre teoria de arte, arte brasileira e ficção, em sua palestra, 'A Cena Pictórica de Erico Santos', estará abordando a produção do artista.


Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Novas pinturas de Erico Santos na Bublitz
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, QUINTA-FEIRA, 23 DE DEZEMBRO DE 2004
Novas pinturas de Erico Santos na Bublitz




Uma das obras em exposição



Até o próximo dia 31, é possível conferir a mais recente produção do artista plástico gaúcho Erico Santos, na Galeria de Arte Bublitz (Neusa Brizola, 143). São 16 pinturas nas quais o destaque está no uso mais intenso das cores e outras em que realiza uma nova abordagem cromática, realçando tons próximos ao azul e também ao lilás. Como tema recorrente, as colheitas de flores.

Segundo o crítico de arte Jacob Klintowitz, o artista 'constrói as suas imagens com recursos inteiramente pictóricos. O contorno é definido pela aproximação de cores e o volume é dado pelo movimento do pincel. Em nenhuma de suas telas a figura é definida pelo desenho explícito. No seu caso, a figura é definida por massas cromáticas, a linha é criada por contigüidade de pigmentos, e a cena é minuciosamente enriquecida por escalas harmônicas, tonalidades da mesma cor, e sugestões visuais de figuras'. Santos, de 52 anos, é natural de Cacequi e já expôs seus trabalhos em Milão, Brasília e São Paulo. A mostra pode ser visitada de segundas a sextas, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 16h. Informações pelo 3029-0109.



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




Formas e cores nos traços de Erico Santos
O LIBERAL
BELÉM, PARÁ
DOMINGO, 26 DE DEZEMBRO DE 2004


Cenas e motivos campestres são inspiração fundamental para o artista plástico gaúcho  

Um jogo com as formas e cores. Assim o artista plástico gaúcho Erico Santos define, sinteticamente, suas obras em que as cenas campestres são, antes de tudo, um elemento para o exercício plástico. Elogiado por críticos como Jacob Klintowitz e Armindo Trevisan, ele se tornou um artista bem-sucedido também entre o público, ao longo de mais de 30 anos de carreira, e deixou seu nome nos principais dicionários de artes brasileiros.

Erico Santos - que expõe novas telas até o dia 31 de dezembro na galeria Bublitz, em Porto Alegre - diz que as mulheres que aparecem em suas telas vestidas em saias rodadas, em meio a cenas de colheita, são um tema secundário. “Meu interesse mesmo são as possibilidades de usar as cores, o movimento. Minha pintura não é realista. É uma pintura figurativa, mas moderna, com características muito próprias, onde os ângulos são quase que abstratos”, diz o pintor.

Ou como diz o crítico Armindo Trevisan, a pintura de Erico se constrói na sugestão: “Basicamente, ela consiste em apresentar um aspecto parcial da realidade ou dos fatos, na suposição de que a memória e a imaginação do espectador consigam, de acordo com o próprio repositório de lembranças e a inventividade pessoal, completar, e até ampliar, o tema proposto.”

Sobre o trabalho de Erico, Klintowitz diz que o artista “constrói as suas imagens com recursos inteiramente pictóricos. O contorno é definido pela aproximação de cores e o volume é dado pelo movimento do pincel. Em nenhuma de suas telas a figura é definida pelo desenho explícito.... No seu caso, a figura é definida por massas cromáticas, a linha é criada por contigüidade de pigmentos, e a cena é minuciosamente enriquecida por escalas harmônicas, tonalidades da mesma cor, e sugestões visuais de figuras”.

Sem preocupações em reproduzir o real, Erico Santos não parte de fotografias, desenhos ou mesmo de locações. As cenas se fazem na imaginação do artista. Mas ele prima pela coerência com algumas regras da pintura tradicional. “As noções de perspectiva linear, de iluminação da tela, da projeção das sombras, estão sempre presentes nos meus trabalhos. Uma intenção de sintetizar a cor do ambiente, como os impressionistas. Quer dizer, talvez eu não seja realista na forma, mas seja realista na cor. E sempre há movimento.”  O suporte de Erico Santos sempre foi a tradicional tela, trabalhada com tinta a óleo. No entanto, num panorama em que cada vez mais há experimentos de suportes e materiais, ele diz que não se sente “deslocado”.

Assume com consciência suas pinturas como uma linguagem particular. “Não me sinto nadando contra a correnteza, como alguns pintores. Sim, o artista tem que empreender uma busca, mas também acredito que tem um momento em que ele precisa achar. Muito do que vejo dos artistas que estão procurando alguma coisa nova já está se repetindo. Em qualquer uma das últimas bienais de São Paulo você percebe isso.”

Não que a busca pelo novo não seja vista com importância pelo artista gaúcho. “Mas acho que o essencial é a busca de uma novidade formal. De se criar uma personalidade de tal forma que um trabalho possa ser identificado como sendo de um artista mesmo que não esteja assinado. Claro que sempre vão haver semelhanças, mas o trabalho de cada artista deve ser como se fosse a letra dele. Ou seja, você não precisa descartar a escrita para ser original. Até porque se não houver uma linguagem comum, se não houver algum parâmetro comum, isso deixa de ser arte. Mas pode ser sua personalidade inscrita, com uma caligrafia própria.  

Na galeria Bublitz, o artista mostra 16 novas pinturas, dos pequenos formatos até obras de 1 metro por 1,50 metro. Em alguns trabalhos háo uso mais intenso das cores. Noutros, Erico realiza uma nova abordagem cromática, realçando tons próximos do azul e do lilás.

Erico Santos tem 52 anos, é natural de Cacequi, mas viveu em Santa Maria e São Paulo e hoje mora em Porto Alegre. Trabalha como artista plástico desde os anos 70, época em que também trabalhava com desenho publicitário, ilustrações e cartuns. Já expôs em Brasília, em São Paulo e em Milão, na Itália.


© Copyright 2004. Todos os direitos reservados ao Jornal O Liberal on line
uma empresa das Organizações Romulo Maiorana  



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Pintor homenageia o Grêmio
.6.2005 - Pintor homenageia o Grêmio   (site: www.gremio.com.br)

Erico Santos doará um quadro ao clube




Erico Santos (D, na foto), 54 anos, gremista e artista plástico. Não poderia ser outro que não tivesse esse perfil para homenagear o Grêmio no seu aniversário, dia 15 de setembro. Pintor consagrado no meio artístico, dará um simbólico presente ao clube no dia em que o Grêmio completará 102 anos: um grande quadro que mostrará o orgulho e o espírito Tricolor.



Erico é sócio do Grêmio há pouco tempo, desde o ano passado. Mas é nessa hora que se mostra o verdadeiro gremista, “aquele que apóia o time no momento ruim” – afirma.



Erico já havia feito um quadro para o tradicional rival e estava constrangido de, na condição de gremista, nunca, ao longo dos mais de trinta anos de carreira, ter pintado nada a favor do seu time do coração. Como o artista é amigo do conselheiro José Silvas, ambos tiveram a idéia de presentear o Tricolor com um quadro no aniversário do clube. No dia 9 deste mês, eles se reuniram com o Presidente Paulo Odone para acertar a homenagem.



Texto e Foto: Thiago Oliveira, Assessoria de Comunicação Social (ACS).  


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




Inauguração da Tela de Erico Santos no Grêmio
Eventos reuniram gremistas no Olímpico

Atualização da placa do Presidente Flávio Obino e doação de uma tela feita pelo artista plástico Erico Santos.
As cores do Pantanal
Jornal do Comércio - Porto Alegre, terça-feira, 26 de dezembro de 2006

   O gaúcho Erico Santos foi convidado, juntamente com outros sete artistas plásticos, para participar do projeto "Pantanal Cores e Formas". Seus trabalhos estão em exposição, até 31 de janeiro, na Art Galeria Mara Dolzan (Teldo Kasper, 180), em Campo Grande (MS). Em março, poderão ser vistos no Cultural Blue Life (Brasil, 298), em São Paulo. O convite partiu do crítico de arte Carlos von Schmidt, curador da 15ª e 20ª Bienal Internacional de São Paulo, que escolheu, além do artista plástico gaúcho, Ary Corrêa, Isaac Oliveira, Masahiko Fujita, Mercedes Barros, Gregório Gruber, Yotaka Toyota e Thereza Portes.
  Com apoio da Blue Life, Carlos von Schmidt e a marchand Mara Dolzan deram continuidade ao projeto "Pantanal", inspirado na expedição do barão alemão Georg von Langsdorff, em 1826. No santuário ecológico, os artistas registraram impressões do local, que transformaram ainda em um catálogo e um documentário, a serem lançados na capital paulista. Erico Santos, o único gaúcho selecionado, nasceu em Cacequi em 1952, mas se divide entre os ateliês que mantém em Porto Alegre e São Paulo. Já realizou, ao longo de três décadas de dedicação à arte, mais de 20 mostras individuais e participou de outras 150 coletivas. (foto: CLÁUDIO FACHEL/JC)
Noite inesquecível fecha dia de aniversário do Grêmio
Porto Alegre - sexta-feira, 16 de setembro de 2005  

As festividades continuaram na presidência gremista onde o artista plástico Erico Santos inaugurou uma linda tela doada ao Grêmio que ficará em exposição ao lado da sala do presidente Paulo Odone.


  
   Grêmio News - Mais Notícias  



  
  
15.9.2005
Noite inesquecível fecha dia do aniversário
Eventos reuniram gremistas no Olímpico



Publicado no www.artesdoispontos.com, por Carlos von Schmidt
Erico Santos Vasos de Flores OST 50x40cm 2006



Um pintor do Sul
Ele é do sul. Do Rio Grande. É Gaúcho. De Cacequi. Vive e trabalha entre seus dois ateliês. Um na Rua Padre Chagas, no bairro Moinho de Vento, em Porto Alegre. O outro em Montenegro, a pouco mais de uma hora da capital rio-grandense. Na história do Rio Grande do Sul dois Erico se destacam. O Veríssimo na literatura e o Santos na pintura.


Ambos senhores de suas áreas. Veríssimo que li adolescente e depois adulto e Santos que hoje me emociona com suas colheitas, flores, bois, cavalos. Com sua pintura neo-impressionista, às vezes tendendo para o abstrato, mas sempre mantendo a figura como ponto de partida e sempre de chegada.

Esta nota de hoje é sucinta. É um esboço, um escorço. Traços rápidos sobre a tela, sobre Erico Santos, um pintor à moda antiga, moderno, contemporâneo.
Que ama pintar. Que curte o ateliê, as telas, os pincéis, as tintas, o cheiro das tintas, dos solventes, dos secantes. Que se deslumbra com as cores. Com os amarelos, os vermelhos e azuis.

Acredito que Erico Santos também goste das tachinhas que prendem a tela.
Picasso não abria mão das suas. Uma vez reclamou com o Brassaï, o fotógrafo,
por usar algumas delas. As tachinhas eram dele. De mais ninguém!

Flávio de Carvalho fazia questão absoluta de que as tachinhas em suas telas mantivessem rigorosa e milimétrica distância. Fazia o maior escarcéu quando não seguiam sua orientação.

Pintor que é pintor não cuida só da pintura. Cuida da tela, do chassis, da tinta, dos pincéis, até das baguetes.

Nunca estive nos ateliês de Erico Santos, mas tenho a certeza de que cada coisa está no seu lugar. A luz é boa e o espaço amplo. E que pintar para ele não se limita à tela. É vida. Essência.

Como disse acima, a nota de hoje é apenas uma anotação, dessas que os pintores fazem em pequenos cadernos. A pintura virá depois. Aguardem!

São Paulo 30 de marco de 2006 22h38 Carlos von Schmidt





Copyright 2006 Editora Artes Ltda - Todos os direitos reservados

  
Além da Janela
(Publicado no site www.artesdoispontos.com)

Vindima detalhe ost 100 x 130 cm 2005

Nos escritos de Erico Santos uma frase me marcou: “Há imagens em minha memória: da janela do trem... criança. Subindo a serra... imensas tinas transbordando de escuras uvas à espera de transporte”.

Proust escreveu À la Recherche du Temps Perdu, A procura do Tempo Perdido, a partir das madeleines, espécie de pastelzinho doce, que comia quando menino na hora do chá de tília.

Adulto, o gosto e o cheiro das madeleines e do chá, o faziam regredir à meninice, às pessoas, ao passado. Foi do flash back, da regressão, da memória, que sua literatura nasceu.

Pobre daquele que não tem um gosto, um cheiro, uma imagem a lhe marcar a infância, a meninice, a adolescência.



Vasos de flores ost 50 x 40 cm 2006
Se Proust não tivesse as madeleines, o chá de tília, não haveria a obra proustiana. Se Erico Santos não tivesse a janela do trem, as tinas transbordando de uvas escuras, não haveria pintura.

Poderia existir, mas não seria o que é. Seria outra coisa.
Não seria a “coisa mental” que é. Aquela “cosa” que Leonardo disse que “la pittura è”!

“A cosa mentale” aqui é básica. É ela que diz a Erico o que pintar. Quando. Como Onde. Por que?

É ela que vai além da janela do trem. Que ultrapassa a contemplação. Recria a imagem. Determina a visão, baliza, norteia.

Na tela, flores, mulheres, colheitas, cavalos, bois, se materializam a partir dessa “coisa mental”.



Vaso de flores ost 70 x 70 cm 2006

Fruída pelo espectador em níveis múltiplos de captação. Variáveis de acordo com a sensibilidade de cada um. Não direi como Baudelaire que “a sensibilidade de cada um revela o gênio”.

Direi apenas que ter uma janela de trem, na infância, na meninice, na adolescência, faz enorme diferença.

São Paulo 11 de abril de 2006 12H36’ Carlos von Schmidt




Copyright 2006 Editora Artes Ltda - Todos os direitos reservados

  
Erico Santos na Nova André Galeria
Paraná-Online    Ilson Almeida - 14/08/2006
----------------
A Nova André Galeria (Rua Estados Unidos, 2.280, Jardim América), uma das maiores da capital paulista, abriu no dia 8 e encerrará no próximo dia 28 do corrente mês exposição individual do artista plástico gaúcho Érico Santos. Estão sendo exibidas 27 obras, todas em óleo sobre tela, registrando principalmente cenas rurais que ganham colorido e luz intensa no pincel do artista, em composições expressionistas.

Os trabalhos de Érico Santos são muito comercializados no mercado de artes plásticas do sul e centro-oeste do país. “Na foto, sem título, um dos trabalhos expostos”.


Clique Aqui e Assine o Livro de Visitas do Artista
Copyright © 2007 Erico Santos | Desenvolvido por M23